Contos de Terror | CONTOS DE TERROR
Você está aqui: Home > Contos de Terror
Contos de Terror
Outono das trevas PDF Imprimir E-mail
(1 voto, média de 4.00 em 5)
Escrito por Ronygley Carvalho Fonseca   
Dom, 28 de Setembro de 2014 00:00

 

Outono das trevas

 

Wallace Wayne nunca perdoou seu padrasto por ter tornado a vida de sua mãe um pesadelo de Outono. Anos mais tarde, quando todos pensavam que o passado estava morto e enterrado, ele retorna para se vingar. Mas a sua maldade não tem um paralelo...

 

 
Maria Rita PDF Imprimir E-mail
(14 votos, média de 3.36 em 5)
Escrito por Carlos Seabra   
Qua, 17 de Setembro de 2014 00:00

 

Maria Rita

 

O escritor Carlos Seabra é um ás no microconto.  Em bevíssimas palavras, contidas em uma única linha,  consegue elaborar textos impactantes. É o caso  do terrível conto "Maria Rita".

 

 
Meu nome é morte PDF Imprimir E-mail
(6 votos, média de 4.17 em 5)
Escrito por Rogério Silvério de Farias   
Ter, 16 de Setembro de 2014 00:00

Meu nome é morte

 

Então Dennis olhou para trás e viu. Ali estavam elesEram fantasmas. Espíritos. Os espectros das últimas três vítimas de Dennis. Aquele policial, seu filhinho e sua esposa. Estavam envoltos em uma luz mística, fosforescente. Eram como que corpos transparentes. Eram corpos astrais!


 
Doença PDF Imprimir E-mail
(18 votos, média de 3.00 em 5)
Escrito por Cinthia Torres   
Sáb, 23 de Agosto de 2014 00:00

 

Doença

 

Vejo quando a coisa salta da cadeira, os movimentos erráticos, desejosos, bruscos, o braço crispado se tornando um gancho poderoso a enlaçar o pescoço da pobre garota. Consigo sentir seu desespero e perplexidade quando ele finca seus dentes no pescoço macio e suga o sangue espesso com aquele barulho horrível de sucção.

 

 
3:15 PDF Imprimir E-mail
(13 votos, média de 2.85 em 5)
Escrito por Eudes de Pádua Colodino   
Sáb, 23 de Agosto de 2014 00:00

 

3:15

 

Foi quando um cheiro estranho correu o ar... Não era camomila. Era um cheiro repugnante, podre. Carne podre. O medo retornou, e o silêncio pesou no ambiente. De repente, teve a sensação de ter sido abandonada na companhia de um predador. Um grunhido... Vindo de trás. Virou-se muito rápido para ver o que era, mas a consciência lhe esvaiu por um segundo como num ligeiro apagão

 

 
Mr. Hyde e Dr. Jekill PDF Imprimir E-mail
(16 votos, média de 4.81 em 5)
Escrito por Paulo Soriano   
Sex, 22 de Agosto de 2014 00:00

 

Mr. Hyde e Dr. Jekill

 

Mr. Hyde virou-se prontamente e brandiu no ar a bengala. Ouviu, prazeroso, o ruído de ossos quebrando.  Ao primeiro golpe sucederam-se outros, rápidos, pesados, intensos, todos desferidos sobre o crânio da criança, do monstrinho larápio que Mr. Hyde agora entrevia sob a epiderme da bruma opaca. Hyde tinha uma especial predileção pelo último golpe, aquele no qual reunia e concentrava toda a sua força física e moral, a força que irradiava do fundo de sua medula, e era expulsa violentamente, triunfante, rumo a uma conclusão apoteótica e especialmente agradável.

 

 
A Tempestade de Al-Lat PDF Imprimir E-mail
(15 votos, média de 4.27 em 5)
Escrito por Rafael Daher   
Qui, 07 de Agosto de 2014 00:00

 

A tempestade de Al-Lat

 

A tempestade de vingança de Al-Lat e seus seguidores fantasmagóricos, que levam morte e destruição para aqueles que passam em seu deserto.

 

 
Repetição mortal PDF Imprimir E-mail
(16 votos, média de 3.75 em 5)
Escrito por Paulo Valença   
Qui, 07 de Agosto de 2014 00:00

 

Repetição mortal

 

Um carro abandonado na praia de Candeias revela, em seu interior, um homem cravado por dois furos paralelos, no flanco do pescoço...

 

 


Página 1 de 13

 

PageRank

Pesquisa de informações

Leitores Online

 

Área de Autenticação








Após o cadastro, acesse seu e-mail e siga as instruções.
Copyright © 2014 CONTOS DE TERROR. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um Software Livre com licença GNU/GPL v2.0.