A obra de arte e seu autor | CONTOS DE TERROR
Você está aqui: Home > Contos de Terror > A obra de arte e seu autor

A obra de arte e seu autor

PDF Imprimir E-mail
(31 votos, média de 3.68 em 5)
Escrito por Roberto Márcio Pimenta   
Ter, 17 de Junho de 2014 00:00

 

 

A obra de arte e seu autor

 

A obra de arte e seu autor

por Roberto Márcio Pimenta


A loja de antiquários da Rua Itapecerica tinha o mesmo cheiro dos velhos casarões e das igrejas de Ouro Preto ou de Lisboa. Alguns santos quebrados, uma velha mobília, castiçais e quadros empoeirados ainda conservavam os mesmos aspectos de séculos passados.

 

Com a ponta do dedo indicador, eu examinava alguns quadros de onde uma aranha solitária se deslocava, através de sua teia, indo parar numa mobília de jacarandá.

 

– Bonita peça! Verdadeira relíquia – falei balançando a cabeça.

 

Aproximou-se de mim uma moça de braços e pernas volumosos, trajes escuros, folgados, soltos, e um pano de seda vermelho sobre o pescoço indo até os seios. Portava no rosto um sorriso de falsa cigana e ares de libanesa disfarçada.

 

– Esta cristaleira faz parte do conjunto da sala de jantar – disse, emoldurando mais ainda o sorriso. – E não custa tão caro... e podemos parcelar... e é um conjunto raríssimo... e pertenceu a um bispo... e vale a pena... e...

 

Minha mente lutava contra os sons e embustes de suas palavras, mas elas foram tão convincentes, tão cheias de sorrisos que venceram. Fiz o pagamento.

 

Passaram-se alguns dias e a mobília chegou.

 

Aos poucos fomos desembalando cada peça com muito cuidado. A sala, devagar, ia se compondo e tomando ares de nobreza imperial.

 

Tocava cada curva do mobiliário, cada florão, ainda pensando na falsa cigana.

 

– Só falta a mesa – comentei com a esposa, segurando o tampo superior. Repentinamente, senti, entre o tampo e a parte que o apoia, alguma coisa – um quadro. Retiramo-lo. Era  uma pintura de um galo em pose de briga. Sua cor viva contrastava com os azuis, vermelhos e amarelos de nossa sala. Ela sugeriu que o devolvêssemos, mas quando me lembrei do preço que paguei por aquele sorriso falso, desisti da ideia.

 

– Se veio da mobília, da mobília é e será – respondi com ênfase, tentando fazê-la concordar. Aceitou e o quadro foi para a parede.

 

O tempo ficou estagnado enquanto admirávamos as cores e formas daquela obra de arte. Não conseguimos ler o nome do autor. Sua assinatura estava confusa: um risco na vertical que seguia pela horizontal com traços indecifráveis.

 

Os ponteiros do relógio passavam rapidamente e fatos estranhos começaram a fazer parte do nosso cotidiano: barulho de passos miúdos, marcas nos móveis e a constante impressão de estarmos sendo vigiados.

 

À noite ouvimos o cachorro latir. Pela manhã houve pausa de minutos para o espetáculo horripilante: encontramos o corpo do cão coberto de sangue e dilacerado por algum objeto cortante. Segundo a polícia, o animal fora vítima de um objeto como um pequeno tridente, ao mesmo tempo por outro que se assemelhava a um alicate que produzisse o efeito de segurar, rasgar e puxar.

 

Minhas madrugadas se transformaram em sons de slept, slept dos meus chinelos – verdadeiro passeio da sala para cozinha, da cozinha para o quarto. Eu olhava para a mobília e ela olhava para mim, olhava para o quadro e ele ficava me olhando.

 

Os dias se mesclavam com noites sem dormir.

 

Na redondeza, mais animais eram atacados pelo estranho ser. Coincidentemente, todos os casos ocorreram a uma distância de menos de quinhentos metros da minha residência, o que me deixou apreensivo.

 

Tais ocorrências poderiam sair da minha própria casa? Seria eu, em momentos de insanidade mental, o autor de tais atos? Ou a minha própria mulher?

 

Obcecado pela ideia, passei a tomar chá para não dormir e mantinha uma vigilância constante revezada com a esposa.

 

“A vida coloca a nu o instinto deplorável ou aceita o basta final destas atrocidades”, eu disse com convicção e desafio para mim mesmo.

 

Dias depois.

 

“Ainda tenho na pele o contato físico que houve com aquele corpo. Ainda trago na lembrança as marcas daquele dia.”

 

Estava, à noite, quase dormindo (era o dia da vigília feminina) quando ouvi gritos: era minha companheira. Barulho de asas batendo, cadeiras no chão, gritos.

 

Vejo um enorme galo em luta corporal com a mulher. Seu bico, como alicate, rasgava sua pele. Ao mesmo tempo, com uma selvageria total, suas esporas cortavam como os três ganchos de um tridente.

 

Seu tamanho colossal impunha pavor, mas a convicção e o desafio fizeram com que eu apanhasse uma adaga e jogasse meu corpo contra o dele. Foi quando percebi que não havia nada no quadro da parede. O galo tinha saído do campo de imaginação da pintura e se materializado na vida real. Era uma transmutação de espaço e matéria. No lado esquerdo, perto da cristaleira, ela comprimia as mãos contra o rosto esbraseado. O sangue escorrendo sobre a blusa branca, o lábio gretado e as mãos em carne viva, mais o choro soluçado entre o arfar da respiração, isso denotava o pavor que a cena proporcionava.

 

A luta continuou até que os ponteiros se encontraram, à meia-noite, e ele retornou para o seu lugar de origem – o quadro.

 

Não perdendo mais tempo, peguei o castiçal e, com o pedaço de vela que ainda chamejava, ateei fogo na pintura. Enquanto a imagem ardia entre as labaredas, tal como herege do século XIII na fogueira, pudemos então, nitidamente, ler o nome do artista: Lúcifer.


 
Autor: Roberto Márcio Pimenta

Comentários   

 
#4 Guest 12-04-2017 16:36
OI possuo um blog no blogger e diariamente recebo mᥙito spam
você sabe comο еu poderia evitar disso ?
desculpe usar este espaçο para perguntar isso, mаѕ vejo que ѕeᥙ site é ƅem bacana e vocês dеvem ter sofrido com isso аntes .
Obrigado
Citar
 
 
#3 Guest 16-04-2015 17:19
First off I would like to say wonderful blog!
I had a quick question which I'd like to ask if you do not mind.
I was curious to know how you center yourself and clear your mind before writing.
I've had a tough time clearing my thoughts in getting my thoughts
out there. I do enjoy writing but it just seems like the first 10 to 15 minutes are usually lost just trying
to figure out how to begin. Any recommendations or tips?
Appreciate it!

Also visit my web page ... best male enhancement
product: http://salesslots.crmtechnologies.com/ActivityFeed/MyProfile/tabid/96/UserId/26394/Default.aspx
Citar
 
 
#2 Guest 16-08-2014 16:22
Lucifer é o diabo antes de cair do ceu e lucifer significa anjo de luz '-'
Citar
 
 
#1 Alan Webster Costa Rocha 27-06-2014 22:12
Roberto, pela imagem ñ coloquei muita fé no conto. Mas, quando li, adorei a galinha de satanás. rsrs muito bom.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

 

PageRank

Pesquisa de informações

Leitores Online

 

Área de Autenticação








Após o cadastro, acesse seu e-mail e siga as instruções.
Copyright © 2017 CONTOS DE TERROR. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um Software Livre com licença GNU/GPL v2.0.