A curva do lago | CONTOS DE TERROR
Você está aqui: Home > Contos de Terror > A curva do lago

A curva do lago

PDF Imprimir E-mail
(42 votos, média de 3.57 em 5)
Escrito por Gui Rhabelo   
Ter, 30 de Dezembro de 2014 00:00

A curva do lago


A CURVA DO LAGO

Por Gui Rhabelo


 

 

O opala diplomata 87 estava sintonizado na rádio 96,6 FM. A rádio mais ouvida de Salém, inclusive pelos caminhoneiros que cruzavam as estradas que cortavam os limites da cidade. O relógio digital do motorista marcava 23:50. O locutor falava sobre lendas urbanas. Fazia um alerta para os caminhoneiros tomarem cuidado coma mulher de branco que sempre pedia carona. O sorriso de incredulidade do motorista não era afetado pela crendice popular.


Permaneceu acelerando suavemente seu opala diplomata marrom. Um belo carro. Uma joia rara. O interior em couro preto dava um toque especial para o belo carro. O motorista baixou os olhos em direção ao seu rádio a fim de mudar de estação. Não demorou nem dez segundos e encontrou outra estação, menos melancólica. Quando levantou os olhos novamente para fixar a estrada freou bruscamente o carro, quase atropelou a jovem que estava com um pé no asfalto e outro no acostamento da pista.


A moça parecia possuir uma beleza que não era deste mundo, não precisava cantar para enfeitiçar, como faziam as sereias. Seu olhar melancólico e distante era suficiente. Seu braço direito pedia carona. O motorista sorriu ao se lembrar do aviso dado pelo locutor, pensou que aquilo fosse algum trote. Não um trote perfeito, pois a moça trajava um vestido vermelho. Não vestia branco.


Os cabelos loiros e a pele alva chegaram mais perto do carro quando o motorista buzinou para ela. o entrar no carro um perfume de jasmim tomou conta do velho opala diplomata 87. Ela agradeceu a carona com voz suave e doce. O motorista pisou novamente no pedal direito e prosseguiu. Ela sorria sempre.


– Estava em uma festa, mas uns palhaços me deixaram aqui sozinha. Acredita? – Falava docemente para o motorista.


– Não acreditaria se fosse outra pessoa me contando. – Brincou. – Mora muito longe?


– Não, há algumas curvas daqui. – Ela olhava fixamente para a estrada. – Há algumas curvas.


O silêncio pairou sobre eles por alguns momentos. O vento frio invadia o carro. Eriçava o pelo da nuca de ambos.


– E você? Mora por aqui? – A jovem quebrou o silêncio, ainda focada na estrada. E nas curvas.


– Não e sim. – O motorista viu que ela não entendeu, apesar de nada ter perguntado. – Moro nas estradas, desde que me conheço. – Sorriu alegremente tentando contagiar a moça que estava absorta em mundo no qual ele não tinha acesso.


– Acredita na história da mulher de branco? – Perguntou para o motorista, uma pergunta crua, fria e cortante. – Acredita mesmo que ela está por aí? Em uma dessas curvas? – O motorista sentiu um calafrio e respondeu meneando a cabeça negativamente.


O silêncio outra vez. Um Corvo bateu no vidro da frente do carro. O barulho causou um susto na moça. Ela sinalizou que sua casa ficava a alguns metros depois da “curva do lago” que avistavam agora.


– Eu moro… – Ela perdeu a voz. Perdeu o sangue que corria nas veias. Tudo parou naqueles curtos segundos. O motorista não estava ali. Não mais. Olhou de volta para estrada e ali estava ele. Em pé…apontando para o lago que ficava em um precipício o lado da curva. A jovem do vestido vermelho não teve tempo de segurar o volante ou pisar no freio. Nem conseguiria. Carro e motorista eram um só. Ambos foram vítimas do destino. E da inveja e vingança. Anos atrás, o ex-namorado da esposa do motorista o jogou para fora da pista enquanto dirigia um caminhão. O jogou junto com sua filha para fora da curva. O carro se perdeu no abismo. Apenas o corpo dele foi achado. O carro e a filha não. Desde então, o motorista e seu opala diplomata 87 surgia na noite e desaparecia mais uma vez na “curva do lago”. Levava alguém para que sua filha não ficasse só. Ou para que a encontrasse. Mas era um mergulho sem volta. Um mergulho na morte. Uma morte silenciosa, sem pistas, uma morte não noticiada nos jornais. Apenas uma morte. Traiçoeira.


Mais contos do autor: http://ocorvodesalem.wordpress.com/


 
Autor: Gui Rhabelo

Leia outros artigos deste autor

Comentários   

 
#2 Guest 30-03-2017 10:13
Quanto as cores, você pode distrair com balanço de
brancos da câmera e também continuar fotografando.
Citar
 
 
#1 Guest 25-09-2015 21:10
Muito bom!
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

 

PageRank

Pesquisa de informações

Leitores Online

 

Área de Autenticação








Após o cadastro, acesse seu e-mail e siga as instruções.
Copyright © 2017 CONTOS DE TERROR. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um Software Livre com licença GNU/GPL v2.0.